25/11/2021

O Porto é um dos cenários escolhidos para a rodagem da primeira longa-metragem do jovem realizador Jotta Dúbio e da produtora independente Mauve Movies, que fundou em 2019 com Ricardo Conde.


O filme, inspirado em histórias reais, explora temáticas como o luto, a perda e as heranças familiares.


Nesta ficção, Jorge (interpretado pelo ator João Gadelha) decide, após a morte do pai, passar uma temporada com a namorada (a cargo da atriz Mafalda Marafusta) na casa que herdou no norte do país.


Lá, vê-se confrontado com os traumas de infância e a herança da sua relação conturbada com o progenitor.


“Este filme parte sobretudo da ideia das memórias e da afetividade que damos aos locais quando, na verdade, não são os locais que são importantes, mas sim as memórias que temos deles”, explica o realizador portuense.


No Porto, a ficção está a ser rodada entre o Cemitério de Agramonte e o Teatro do Bolhão.



“O Porto tem uma qualidade excecional: é, talvez, a cidade mais amiga do cinema do país e, provavelmente, da Europa. Qualquer pessoa que queira fazer um filme independente no Porto, regra geral, não encontrará muitos entraves. Todo o processo é muito facilitado.”


O filme começou a ganhar forma durante a pandemia, numa altura em que “os artistas estavam com uma grande ânsia de criar e seguir em frente”.



Ao projeto juntaram-se também os atores Alexandra Lencastre, António Capelo, Soraia Sousa, Francisco Zaiden, Vlada Kikh e Vera Santana e, ainda, Manuel Guerra (diretor de arte), Nikolas Gomes (diretor de som), João Ribeiro (chefe de produção), Laura Fonseca e Marisa Soares (assistentes de realização) e Alex Bukovac (making of).


O Laranjal” tem estreia prevista entre o final de 2022 e o início de 2023, depois de integrar o circuito dos festivais de cinema internacionais. 

Ver também
Notícias