D`Bandada encheu a Baixa de gente e de música
14-09-2015
A quinta edição do festival voltou a levar milhares de pessoas à Baixa do Porto no passado sábado.

Apesar das nuvens cinzentas ainda terem ameaçado o fim de tarde portuense, o festival que desde 2010 proporciona uma réplica sanjoanina em formato de música de rua voltou a ser um sucesso retumbante em termos de público. E foram vários os banhos de multidão ao longo da tarde e final de noite para os ver os quase 80 concertos que este ano se distribuíram por 21 palcos da Baixa do Porto, alguns deles em estreia absoluta no roteiro do NOS em D'Bandada.


E foi precisamente num desses novos palcos que a festa arrancou, com o Jardim do Passeio dos Clérigos a desafiar os mais novos para um programa inteiramente dedicado às crianças. Ali ao lado, já várias centenas de fãs se preparavam para a chegada do elétrico da linha 18. Se há um ano foi Miguel Araújo o responsável pela mais animada perseguição a um elétrico de que há memória na cidade, desta vez o convidado a subir a bordo foi Jorge Palma, um dos maiores nomes da música portuguesa. Dos Clérigos à Batalha, foram quase duas horas de viagem aos solavancos e ao som de alguns dos temas mais intemporais de Jorge Palma.


Ao final da tarde, as atenções viraram-se para a sala maior desta edição, que também serviu este ano de centro nevrálgico do evento. Foi uma entrada em grande do Coliseu do Porto do roteiro do NOS em D'Bandada, que se estreou com fado de Aldina Duarte e de Carminhopara, já no início da madrugada, se transformar numa pista de dança e encerrar em festa, ao som de Ecko Deck, Mirror People e Branko, esta quinta edição do São João da Música.


Não muito longe da principal sala de espetáculos da cidade, a Praça dos Poveiros rendeu-se ao hip-hop português, cortesia de alguns dos nomes sonantes deste segmento, casos de Sam, The Kid e Valete.

Mas neste festival, que atravessa os mais variados e géneros musicais, houve ainda espaço para os projetos eletrónicos, com Moullinex eThunder & Co. a transformarem a Praça de Gomes Teixeira numa enorme pista de dança a céu aberto. Éme, TAPE JUNk e Benjamim foram, por sua vez, responsáveis por animar a escadaria da Igreja de Santo Ildefonso - outra das novidades no itinerário deste ano.


Mas se tudo isto já não chegasse para ilustrar a força da música que se faz em Portugal e o espírito deste festival que atravessa gerações, era então necessário acrescentar aquele que foi, por certo, o mais esperado concerto da noite.


Habituada há muito a grandes enchentes, a Avenida dos Aliados não desiludiu e acolheu os milhares que quiserem assistir ao concerto de Miguel Araújo, aquele que é talvez o maior embaixador deste evento, com presença em todas as cinco edições.


E foi assim mais um D'Bandada. Um festival que, mesmo ao fim de cinco edições, continua a saber reinventar-se, mas sem nunca perder o espírito que se mantém desde a sua génese.